olha, eu sei
sei que não venho sendo eu mesma ultimamente
ou talvez eu venha sendo porque afinal de contas eu me perdi nessa noção
de quem eu sou de quem eu era e tantas esperanças sobre quem quero ser

mas eu...
sinto como se estivesse sendo outro alguém ultimamente
recolhendo conchas esquecidas pela beira da areia porque você sabe
que eu tenho eu sempre tive essa atração terrível por coisas quebradas

e, provavelmente
eu verdadeiramente não tenho sentido muito ultimamente
eu disse em orações pra alguém em quem não acredito na piedade
que me julgasse pelos meus pecados e me ensinasse algo

então, no final de tudo
eu já escrevi mais do que poderia me lembrar sobre perder o rumo
sobre precisar de um sinal mas a realidade é que eu precisava de espaço
precisava de cuidado precisava de tempo precisava de um perdão que nunca veio

e olha, sinceramente
tentar proteger você nunca ajudou porque eu nunca pude escolher
entre te amar e amar a mim mesma já que as duas coisas nunca coexistiram
eu trassei uma linha e ela foi atravessada derrubando minhas defesas e todas essas merdas em que eu me segurava

e você sabe, que eu sei
como é perder algo alguém qualquer fagulha que ainda te faça sentir como se valesse a pena lutar
como é se perder em vícios se perder em bobagens que preenchem coisa nenhuma no final das contas
eu sei como é ter que soltar uma mão que você nunca quis soltar mas você não pode forçá-la, sabe?

e beija-flor, tudo bem
eu sei que eles te machucaram além do que você pensou que fosse possível
e que você não sabe mais quem é seu amigo ou seu inimigo e você continua atirando flechas e flechas
você quis morrer pra não viver a angústia de ver tudo desmoronar mas, c'est la vie

e pensando bem, veja só
não sei mais se o amor é algo que fica ou que vai porque tem sempre alguém partindo de mim, sabe?
e partimos sempre daqueles que nos amam mais partimos sempre mesmo quando nosso coração grita que não não não
e eu espero que essa chuva passe porque ela me lembra das suas lágrimas no dia que você escolheu partir

infelizmente, foi assim
forramos nossa cama com medos do passado e nós dormimos esperando acordar aquecidos
nós nunca lutamos porque tínhamos medo demais de enxergar nossos próprios demônios
e se você pensa em mim ainda tudo bem, raio de sol, tudo bem
meu peito ainda é tua morada mas eu fechei as janelas eu tranquei a porta tirei os quadros das paredes

porque essa casa não te espera mais voltar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog