existem muitas músicas e muitas poesias que falam sobre o peso do mundo
e como ele recai sobre os nossos ombros
e curva nossa coluna esmaga nossos pulmões aperta nossos medos contra os nossos ossos
eu vou ser mais uma agora falando sobre o peso do mundo

abri a porta e sai pra noite enquanto os pecados de são paulo inteira caíam no meu telhado em forma d'água
em algum outro lugar dessa cidade eu sou uma pintura de óleo sobre tela de algum ator desconhecido
sozinha no meio da chuva com os pés descalços um cigarro queimando entre os dedos suéter cor de rosa puído olhos de nanquim refletindo a luz de um único poste falho da rua

em algum lugar de alguma noite passada eu estou me olhando no espelho limpando o batom marsala borrado dos lábios
memórias de mãos pelos meus cabelos memórias de vozes sussurradas em meus ouvidos

eu tenho uma lista sobre as coisas que eu gostaria de questionar a quem quer que controle esse jogo
mas existe algumas enroscadas no meu travesseiro há meses
você acha que pouco é melhor do que nada?
o que um peito sente mas não diz ainda sim tem o mesmo peso?

eu deixo o vento frio como a morte penetrar pelas minhas roupas até que tudo eu sinto seja meus poros arrepiados
eu deixo que a raiva por todas as vidas com as quais eu me importo e eu não posso aquecer invada meu sangue e eu tremo
tremo com a indignação com o frio com a sensação de impotência e eu encaro os prédios até que minha visão se embace
eu deveria fazer mais eu deveria sentir menos eu deveria me mover mais rápido eu deveria eu deveria

eu não imagino a vida sem bons livros ou sem as ondas do mar atingindo meus quadris ou o cheiro de café ou o som da chuva quando atinge minha alma fora da minha pele
eu quero conseguir enxergar uma vida onde esse peso não exista onde esse frio não entre em nenhuma esquina por baixo de nenhum cobertor e que eu pudesse
que eu pudesse abraçar o mundo inteiro com meu coração mas me disseram uma vez que meus braços são pequenos demais pra alcançar toda essa extensão

mas eu sigo em frente sempre em frente continuo caminhando continuo tentando de todas as formas que eu posso
você acha que pouco é melhor do que nada?
quanto é pouco pra você quanto é muito pra quem dorme em pedra nessa cidade sem amor?
mas nós vamos seguir em frente sempre em frente continuaremos caminhando continuaremos tentando de todas as formas que pudermos
sempre
mais fortes
do que antes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog