o amor não é uma arma

você não pode encostar teu amor afiado na pele delicada da minha garganta e me dizer pra te obedecer ou teu amor me cortará

a forma como você usa palavras duras contra meus ouvidos e me diz que é pro meu melhor e que tudo isso é por bem querer

e como você tira minha força e me torna frágil pequena diminutiva em meus sonhos e tira de mim minha fé em mim mesma

teu amor queima como ácido e tem algo errado nisso

teu grito penetra na minha mente tão calma e gera uma perturbação imensa é como um tsunami numa cidade cheia de jardins

a marca dos teus dedos pelos meus braços e a marca da tua falta de tato nas minhas memórias são como sal nestes ralados

o jeito como você ama dói e eu me pergunto se mereço (eu mereço?) e eu perco o sono a fome a esperança

esses passos são meus dos meus pés e você não pode trilhar nenhum deles por mim

esse riso é meu e essa voz é minha e esses detalhes são eu e com todos esses erros ainda sou eu você não vê

tua vontade não pode me moldar dentro desse encaixe porque eu não pertenço não há nenhum barro nos meus ossos

tuas mãos em volta dos meus ombros e o desleixo com que você me joga contra a parede da tua ira

as mentiras que desenrolam da tua língua e esse jogo infernal e você que usa teu amor contra mim e não é sobre isso que o amor é

nem todas as guerras já travadas entre nações inimigas causaram tanto dano quanto tua agressão calculada contra meu eu gentil

passei tempo demais tantos anos eras infinitas aceitando teu amor quando ele é controle é possessão é raiva é tudo tudo menos amor de verdade

eu decidi então depois de tanto choro tanto medo tanto frio nessa escuridão que você pode me amar mas você não pode me ter entre as tuas grades me ame mas me ame

bem

longe

de mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog