dizem que o verdadeiro amor é como descobrir o suicídio
você atravessa a rua despretensiosamente sem olhar pros dois lados flertando suavemente com a morte
você atravessa os dedos despretensiosamente pela minha pele flertando suavemente com a minha alma
você não é tão incerto quanto a vinda de um carro diretamente contra o lado direito do meu corpo
você atravessa por mim desligando-se do impacto mas os teus toques atingem minhas estruturas selvagemente

mas se eu tivesse implorado ou chorado ou ralado meus joelhos no chão do nosso quarto
isso mudaria algo? isso nos traria alguma luz?
o quão pouco estávamos dispostos a partilhar nossos pequenos segredos
nós fomos uma fraude doce amor uma bonita tentativa falha
eu tentei te alcançar quase te sinto você está tão perto
e então
você desaparece

nós ignoramos todos os sinais nós fechamos nossos olhos pra todos os avisos
chegamos depois da hora e não estávamos ao menos prontos
não é de admirar termos perdido o controle
quando sempre somos uma explosão de caos orgulho e poeira longe de nos apaixonar
eu sei que estamos quase não segurando para dizer a verdade mal posso acreditar que chegamos tão longe correndo em círculos entre nossos cacos

quase posso alcançar os fios do teu cabelo castanho comprido ao vento quase posso sentir teu cheiro de sálvia e madeira antiga você está tão perto
mas então
você desaparece

eu desejei que os deuses tivessem me confessado
que terminaríamos tão frios sentindo falta dos nossos antigos demônios
que estaríamos perdidos sem nossos sons pra nos guiar
acho que somos tolos pela forma como nos cortamos
acho que somos mórbidos pela forma como partimos nossos corações
mas não se desvaneça

continuamos sugando todo o ar de nossos pulmões
mas não desapareça

(é difícil respirar longe dos teus olhos cruéis)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog