tem sido muito para explicar
além da minha capacidade de falar racionalmente
você pode me mostrar? eu vejo que há muito para aprender
mas eu sou tão simples quanto uma pequena flor de quaresmeira ao sol
e eu estou penca mas presa em minhas raízes neste asfalto quente
você não vai me ajudar? eu estou esperando pacientemente

eu abriria meus olhos se você me pedisse para enxergar através da neblina
eu abriria meus olhos se eu pudesse acreditar que isso faria algum bem

eu posso contar nos meus dedos os erros cometidos
mas eu pensei que não era sobre isso o amor que não seria sobre isso

"a cidade está deserta,
e alguém escreveu o teu nome em toda a parte:
nas casas, nos carros, nas pontes, nas ruas"

eu ainda me lembro de quando as coisas eram mais fáceis mas
certo quanto as ondas que quebram em meu quadril tenho deixado o passado para trás
eu sou uma estrada mas não cobro pedágios eu sou uma consequência sem causa eu sei
mas eu ainda estou lutando aqui deste lado do elo fraco da corrente
você sabe?
ainda há vida em mim aqui neste caos tristemente silencioso
você sabe?

o tempo levará a todos nós e nos transformará em pedra e pó
ele nos deixará com nossos arrependimentos e memórias doces
antes de pendurar os fios pelos nossos ossos frágeis
antes de ouvir as histórias de dificuldade que minhas mãos contarão
antes de ler o mapa dos continentes em meu rosto
antes de levar a alma de nossos olhos cansados

quando você deitar meu corpo delicadamente na grama fria guarde tuas orações
durma agora sobre a minha pele e eu sei que você tentará conjurar o verbo para aliviar minha mente
quando você deitar teu corpo sob as cobertas com ninguém mais para culpar guarde tuas orações
durma agora sem o calor dos meus batimentos e eu sei que eu cantarei suavemente em teus sonhos para aliviar tua mente

veni
vidi
amavi

nós estamos apenas cumprindo nossos destinos
beija-flor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog